13 de mai de 2010

Parte III - a poesia do meu momento

Sem versos para distinguir seções.
Nenhuma rima para combinar com qualquer final.
Sem pontos de exclamação suficientemente grandes.
Tampouco pontos de interrogações inventados.
Gritos pálidos e matutinos.
Confiança veterana depositada.
Teimosia geneticamente herdada.
Fator X'R em todas as minhas células.
Saudade devidamente declarada.

Quero você que por tanto tempo me aguentou.
Quero você que os céus teimam em abençoar.
Quero você: com seus defeitos e carinho sem igual.
Quero você.
Quero você: longe de mim.

Quero a mim. Esfinge, cleópatra, quimera, deusa.
Quero o mundo. Quero tudo. Quero apenas isto.
A poesia do meu momento: a vida.

Um comentário:

  1. As vezes penso coisas sobre o que escreve, que mais tarde venhoa descobrir que eram reais!

    ResponderExcluir